Diretor de “Titanic” diz ter encontrado o túmulo de Jesus

 James Cameron, diretor do filme Titanic, produziu um documentário que será exibido hoje no canal Discovery, entitulado “The Lost Tomb of Jesus” (O Túmulo Perdido de Jesus – em tradução livre).

As supostas revelações do documentário fazem referência a um túmulo encontrado em 1980, em Jerusalém.

Além de mostrar-se pretencioso, tal documentário, que custou 2 milhões de dólares, não nos traz nenhuma novidade. Mas, para que haja o retorno desta grana ($$$), é necessário que haja bastante divulgação e polêmica (os ingredientes principais e bem conhecidos pelo nosso amigo Dan Brown – autor do famigerado “Código Da Vinci”).

A trama não se contrapõe ao episódio da Ressurreição, visto que não foram encontrados ossos no túmulo. Mas pretende bater na mesma tecla de Dan Brown (ele fez escola): traçar um laço de ligação amorosa entre Jesus e Maria Madalena.

Apenas mais uma historinha fajuta sem conteúdo científico; muito menos histórico. Afinal, é sabido que Jesus era de uma família da Galiléia, sem relação com Jerusalém. Além do mais esta tumba, localizada no subúrbio de Talpiot, pertencia a uma família de classe média do primeiro século. E também sabemos que Jesus foi sepultado em um túmulo de um homem rico chamado José de Arimatéia, que vivia no seu tempo. (Jo 19, 38-42).

Os espertalhões que produziram o documentário querem apenas gerar uma polêmica e garantir boas vendas, dado que o cientista que supervisionou as escavações em 1980, Amos Kloner, já havia dito que os nomes eram coincidência, e qualificou o filme como “bobagem”.

Misericórdia!

Apenas pra constar: Basílica do Santo Sepulcro