Tem certeza de que a Igreja Católica é a prostituta do Apocalipse?

Conto-lhes um causo:
Em certa ocasião, estive eu fazendo uma visita à casa de uma senhora que faz parte da igreja Adventista de sétimo dia.

Ao iniciar o debate, ela logo abriu o livro do Apocalipse e citou o seguinte trecho:

Um dos sete Anjos das sete taças veio dizer-me: ‘Vem! Vou mostrar-te o julgamento da grande prostituta, que se assenta à beira das águas copiosas: os reis da terra se protituíram com ela, e com o vinho da sua prostituição embriagaram-se os habitantes da terra’.  Ele me transportou, então, em espírito ao deserto, onde vi uma mulher sentada sobre uma besta escarlate, cheia de títulos blasfemos, com sete cabeças e dez chifres. A mulher estava vestida com púrpura e escarlate, adornada de ouro, pedras preciosas e pérolas; e tinha na mão um cálice de ouro cheio de abominações; são as imundícies de sua prostituição. Sobre a fronte estava escrito um nome, um mistério: ‘Babilônia, a Grande, a mãe das prostitutas e das abominações da terra’. Vi então que a mulher estava embriagada com o sangue dos santos e com o sangue das testemunhas de Jesus. E vendo-a, fiquei profundamente admirado.” (Ap 17,1-6).

Desta forma, ela tentou associar este trecho à Igreja Católica.

Ora, continuei o debate…
Sabemos que o livro de Apocalipse foi escrito por São João (o mesmo do Evangelho) em época de dura perseguição aos cristãos.
João escrevia de dentro de uma prisão, na ilha de Patmos, e o fazia através da linguagem apocalítpica, rica em símbolos e sinais, para que os soldados romanos não entendessem a mensagem cristã caso colocassem as mãos nos manuscritos.

Para entendê-lo, devemos, por isso, entender sua técnica e retraduzir em idéias os símbolos que ele propõe, sob a pena de falsificar o sentido de sua mensagem (como acontece com as profecias de Daniel, também de linguagem apocalíptica, e as diversas ‘continhas’ que foram criadas ao longo dos anos para ‘advinhar’ o dia da expiação…).

Pois bem, um destes símbolos, mais especificamente da passagem citada é o nome Babilônia, que queria referir-se à Roma pagã. Sabemos que a Roma pagã por sua devassidão moral era comparada à antiga Babilônia.
Antes do Apocalipse, São Pedro em sua primeira epístola utilizou-se do mesmo termo para referir-se à Roma (1Pd 5, 13).

Como Deus não é um Deus de confusão, o Anjo do Senhor fornece mais detalhes que facilitam a identificação da Prostituta, a inimiga de Deus. Vejamos o restante do trecho:
O Anjo, porém, me disse: ‘Por que estás admirado? Explicar-te-ei o mistério da mulher e da Besta com sete cabeças e dez chifres que a carrega’. A Besta que viste existia, mas não existe mais; está para subir do Abismo, mas caminho para a perdição. Os habitantes da terra, cujos nomes não estão escritos no livro da vida desde a fundação do mundo, ficarão admirados ao ver a Besta, pois ela existia, não existe mais, mas reaparecerá. Aqui é necessário a inteligência que tem discernimento: as sete cabeças são sete montes sobre os quais a mulher está sentada.” (Ap 17, 7-9)

Pois bem!
É incorreto dizer que a prostituta que está sentada sobre os sete montes (que ficam na parte oriental) de Roma é a Igreja Católica, pois na época em que São João Evangelista redigiu o Apocalipse quem ali estava estabelecido era o Império Romano, que oprimia o povo de Deus.

São João estava, justamente, transmitindo a mensagem do Anjo ao povo de Deus, a fim de informar que a vitória dos cristãos contra o Império Romano era iminente:

“[os reis que a Prostituta possui, ou seja, os Imperadores Romanos] Farão guerra contra o Cordeiro, mas o Cordeiro os vencerá, porque ele é Senhor dos senhores e Rei dos reis, e com ele vencerão também os chamados, os escolhidos, os fiéis.” (Ap 17, 14)

O Apocalipse era, antes de tudo, uma mensagem reveladora de caráter confortador aos cristãos oprimidos pelo Império Romano. Pois foi Cristo que enviou sua Igreja à Roma:

Na noite seguinte, apresentou-se-lhe o Senhor e disse: …Tem bom ânimo: porque, como deste testemunho de mim em Jerusalém, assim importa que o dês também em Roma.” (Atos 23,11).

E após anunciada esta vitória dos Cristãos sobre o Império Romano (Babilônia, Roma pagã), lá a Igreja está estabelecida até os dias de hoje. Conforme prometido pela Sagrada Escritura.

Figura como mero oportunismo a tentativa de associar a Igreja Católica à prostituta do Apocalipse, além de se tratar de um erro grosseiro de interpretação. Sem falar da utilização da maledicência e do falso testemunho contra o Catolicismo.

Por isso, nunca é demais ressaltar o que a própria passagem nos diz: “Aqui é necessário a inteligência que tem discernimento“.

Anúncios

Uma resposta

  1. Olá Daniel,

    Parabéns pelo blog. Que você continue sempre trilhando o caminho do conhecimento e da defesa da Santa Igreja de Cristo.

    Fica com Deus.

    Gabriel

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: