O Ateu e a fé

Senti a necessidade de escrever este texto por dois motivos: primeiro porque depois de breves minutos conversando com um colega de trabalho aparentemente ateu (ainda não conversei com ele sobre o assunto) senti uma pontinha de superioridade intelectual que é peculiar àqueles que negam a existência de Deus; segundo porque nunca escrevi um texto relacionado ao ateísmo, então pensei “por que não?”.

Sinceramente, sempre fico impressionado com o paradoxo de “ser ateu”. Ser ateu é duvidar de um Deus pregado pelos homens, mas eleger o próprio ego (sim, o de homem) como deus de si mesmo. E esta situação não deixa de ser curiosa, pois a razão humana só resplandece plenamente quando reconhece a sua própria contingência e se sujeita à suprema inteligência do Criador do universo.

Sendo mais claro e objetivo: talvez Freud classificasse isso como narcisismo religioso. A auto-suficiência do ego ateu está repleta de perfeição que menospreza a capacidade intelectual daqueles que possuem uma crença diferente à sua, e se revela impenetrável à luz da intelectualidade legítima, pois está fechado ao processo de cognição, de aquisição de conhecimento. Narciso só tinha olhos para a própria beleza e afogou-se em sua própria imagem. O ateu só tem olhos para o se egocentrismo e se afoga em sua própria inteligência…

Tudo bem… sendo mais claro ainda: o ateísmo está mais ligado à emoção do que à razão.

O ateísmo não se caracteriza por uma reflexão madura, pois freqüentemente demonstra ser uma escolha pré-racional, fruto do orgulho e da rebeldia da adolescência intelectual. A psicologia constata que o adolescente rejeita a autoridade para afirmar o próprio ego. Não é raro, na fase juvenil, a rebeldia se manifestar como ateísmo.

Com o tempo, o jovem pode superar esta etapa, inserindo-se como ser humano na ordem natural do mundo. Tornando-se adulto, amadurece e, às vezes, retorna à fé aprendida na infância, buscando com sinceridade respostas às questões metafísicas. Enfim, chamamos esse processo de conversão.

Mas, pode ser que o jovem não supere esta etapa e, por inércia, faça perdurar o ateísmo juvenil até a fase adulta, seja por desinteresse ou por falta de reflexão conseqüentes do egocentrismo. Estes adultos, em sua revolta anti-espiritual encaram a descrença como religião e passam a militar pela destruição da fé em Deus. Então, podemos nos deparar com frases como “Deus não existe…isso é coisa de gente fraca que precisa de um ser superior”.

Esse apostolado anti-religião se apresenta como reflexo da busca por justificativas racionais para a escolha que fizeram. Mas, essa “conclusão” da inexistência de Deus é, na verdade, o desmoronamento da idéia que o próprio ateu formulou na fase pré-intelectual: uma entidade modelada pelo próprio sujeito. Agora, podemos entender melhor como funciona o raciocínio ateu: tomar o conhecer pelo ser – “o que existe na minha mente é real, o que não existe na minha mente não é real”. Talvez esse seja o maior problema de nossos tempos, porque conduz ao relativismo, pois o conhecimento varia conforme a época, o lugar, classe social etc.

Seguindo adiante na militância do apostolado, a vaidade ateísta passa a ostentar as informações científicas e filosóficas que adquiriram nesta fase adulta. Mas, obviamente, não podem responder a questões metafísicas como: “O que existia antes do que existe?”. Ora… requer-se apenas honestidade para, pelo menos conceder à crença em Deus o benefício da dúvida.

Honestidade…Humildade…

A ciência utiliza a fundamentação experimental como forma de produzir conclusões. Mas, para efetivamente comprovar a possibilidade de produzir um design inteligente sem um designer, o cientista deveria produzir um experimento sem experimentador. Caso contrário, ele estaria pressupondo, justamente o oposto do que pretendia, pois assume a posição de Criador do seu experimento. Sim, é verdade… não existe experimento sem experimentador. E, ciência sem experimento é igual comida sem sal: não tem sabor. “O que existia antes do que existe?”

Por que ridicularizar a fé em Deus? Afinal, qual é o problema? Descobrir que Deus existe e é seu criador?

O homem que crê em Deus, embora também inclinado ao egoísmo (devido ao pecado original), aceita primeiramente a sua própria contingência: sabe-se mortal, finito e sujeito a leis morais e naturais que ele não criou e não pode alterar. Essa humildade é o adubo que ajuda germinar, pela graça, a virtude da .

A Fé não é crendice, nem muito menos a ausência de dúvidas (que são inerentes à condição humana). A Fé = virtude + graça. Fé é dom gratuito de Deus: não crê aquele a quem Deus não concedeu esse favor, que tem como predisposição fundamental a constatação da própria contingência, da própria insignificância. Aquela humildade… aquela honestidade…

A graça da Fé, uma vez aceita e cultivada pela observância aos Mandamentos e freqüência nos sacramentos age eficazmente na alma suscitando as virtudes da Esperança e da Caridade. “Que conheçamos (fé), que procuremos (esperança) e que amemos a Deus (caridade)”.

A Fé pode crescer através da prática da oração (sempre com a ajuda da graça) até culminar na plenitude da certeza, que é a vida contemplativa.

“A fé é o fundamento da esperança, é uma certeza a respeito do que não se vê. Pela fé reconhecemos que o mundo foi formado pela palavra de Deus e que as coisas visíveis se originaram do invisível.” (Hb 11, 1.3)

“O que existia antes do que existe?”

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: